Departamento de Defesa dos EUA identifica adolescente do Paraná que planejava possíveis ataques à escolas

Polícia Civil investiga participação de menor em organização que planejava possíveis ataques a instituições.. Foto: Divulgação/PC.

Uma ação conjunta do Ministério da Justiça e Polícia Civil do Paraná nesta quarta-feira (2) resultou na apreensão de um adolescente de Palmas (PR) que incitava possíveis ataques a escolas.

De acordo com o delegado de Polícia Civil de Palmas, Felipe Silva de Souza, a ação partiu de um alerta do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, que acionou os órgãos de segurança do Brasil, chegando até o jovem palmense.

Além de Palmas, operações da mesma natureza foram realizadas em São Paulo, Goiás e Pará. No caso do menor palmense, a Polícia Civil apreendeu materiais eletrônicos, além de realizar o encaminhamento do rapaz para depoimento.

O delegado informou que no depoimento, o jovem relatou que em sua rede de contatos, incitava e planejava ataques a escolas, além de apresentar orientações sobre como cometer crimes de diferentes naturezas, atuando como um mentor.

O delegado relatou ainda que no depoimento, o menor afirmou ter desenvolvido sentimento de ódio após sofrer bullying, levando-o a ter preconceito contra homens negros e homossexuais, defendendo a “supremacia branca”. Na oitiva, o menor teria dito  ainda que, apesar de não admirar a figura de Adolf Hitler, era adepto das ideias nazistas.

Após a oitiva do menor, o caso segue sob investigação por parte da Polícia Civil, já com encaminhamentos para Ministério Público e Poder Judiciário, que irão analisar a possibilidade de internamento.

Menor se intitulava líder de organização que planejava ataques

De acordo com o delegado da Polícia Civil, Felipe Silva de Souza, em entrevista à Rádio Club FM, na residência do menor foram apreendidos diversos aparelhos eletrônicos, anotações e materiais, inclusive a fotografia do jovem que idealizou o ataque à Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, no Estado de São Paulo, em março de 2019, episódio que deixou dez pessoas mortas.

As conversas e intenções do adolescente palmense foram interceptadas pela Adidância da Polícia de Imigração e Alfândega dos Estados Unidos. Conforme o delegado, em uma das conversas o menor repassava orientações a outro adolescente, sobre como ele poderia matar a sua mãe, a partir de envenenamento com chumbo.

Em seu depoimento, o jovem demonstrou frieza, confirmando todo o teor das suas mensagens. Informalmente, durante abordagem, o jovem teria dito à equipe policial que pretendia praticar algum ato contra uma escola nas proximidades do local onde ele reside. Porém, nas conversas e materiais apreendidos, a Polícia não encontrou indícios a respeito, mas sim, muitas orientações dele a outros jovens, principalmente do Estado de São Paulo, sobre como praticarem possíveis ataques. Durante a oitiva, o menor se intitulou como “Alfa”, que seria um mentor de planos, que eram repassados para outros indivíduos.

Por não ter sido apreendido em flagrante, o menor foi liberado após depoimento. O procedimento foi encaminhado também ao Poder Judiciário e ao Ministério Público, que analisarão as próximas medidas a serem tomadas.

Com informações Portal RBJ

Redação Portal RDX

Redação Portal RDX

Ler anterior

PM prende três homens que cometeram assalto no interior de Fernandes Pinheiro

Ler próxima

São Mateus Futsal joga neste sábado (5) e tenta reabilitação na Série Bronze após duas derrotas