Suspeito de matar mulher em igreja de Londrina não demonstrou arrependimento ao confessar crime

A Delegacia da Mulher de Londrina, norte do Paraná, divulgou informações sobre o crime cometido em uma igreja da zona leste da cidade, onde Lígia da Silva foi morta a tiros, na terça-feira (5). O principal suspeito do assassinato é o ex-marido da vítima que foi preso, nesta quinta-feira (7), em Piracicaba, no estado de São Paulo.

Conforme a Polícia Civil, após cometer o crime, Everton Schafer teria trocado de veículo até comprar um Peugeot 207. Uma denúncia anônima recebida pelos investigadores da Delegacia da Mulher de Londrina informou que o acusado estaria na cidade de Capão Bonito. Policias civis de São Paulo (SP), em conjunto com a Policia Militar Rodoviária de SP, iniciaram os cercos.

Everton teria passado por uma agência bancária da cidade, feito um saque e saído em direção a Itapetininga. Na tarde de quinta-feira (7), ele foi visto na rodovia SP-135, onde, perto do KM 15, perdeu o controle em uma curva ao arremessar uma pistola .380 para fora do carro. O veículo ficou destruído ao capotar diversas vezes e ele foi capturado.

Em depoimento ao delegado de Piracicaba, Gillys Esquitini Scrocca, Everton não demonstrou arrependimento ao confessar o assassinato de Lígia, disse que tinha motivos e que não estava arrependido. Consta no boletim da Polícia Militar que o ex-marido acreditava que estava sendo traído há cinco anos. Ele é suspeito de matar Lígia com cinco tiros na cabeça.

Em SP, ele responde pelo crime de porte ilegal de arma, sem direito a fiança. O feminicídio deve ser tratado em Londrina. Entretanto, a Polícia Civil informou em nota que ele continuará preso no estado de São Paulo.

Na mesma nota, a Delegacia da Mulher disse que não há registro recente de boletim feito por Lígia contra Everton e que a vítima também não solicitou medidas protetivas.

“No ano de 2018, a vitima procurou a Delegacia da Mulher, para registrar um boletim de lesão corporal e solicitar medidas protetivas. Porém, a própria vitima, dois dias após a concessão da medida, solicitou a revogação desta medida, pois o casal havia reatado o relacionamento. […] O ultimo boletim de ocorrência registrado pela vítima, no dia 27 de março de 2022, foi na Delegacia de Estelionato, por ter sua conta de Faceboook invadida, conta esta em conjunto com o acusado”,

informou a Delegacia da Mulher de Londrina.

Everton respondia por outro homicídio em liberdade. Ainda não foi divulgada a defesa do acusado.

O crime

Lígia foi assassinada com cinco tiros na Paróquia São Luiz Gonzaga, zona leste de Londrina, no início da tarde de terça-feira (5). Ela almoçava, quando foi surpreendida pelo atirador. Lígia estava prestando serviços como zeladora no local.

Testemunhas que viram o acusado fugir confirmaram que ele estava em uma Toro branca, que foi trocada por outros carros e ainda não foi localizada.

A família da vítima conta que ela sofria violência doméstica e era ameaçada. Os dois estavam juntos há aproximadamente 20 anos e Lígia acompanhava o ex-marido em viagens que ele fazia, por ser caminhoneiro. 

Redação Portal RDX

Ler anterior

Corpo de mulher nua é encontrado ao lado de boletim de ocorrência em Piraquara

leia a próxima

Falecimento de Mário Mudryk