Bailarinos do Teatro Guaíra oferecem oficinas on-line gratuitas

O Balé Teatro Guaíra inicia na próxima semana (23/04) oficinas virtuais abertas para profissionais e estudantes de dança. As aulas acontecem às sextas-feiras, a partir das 13 horas, para até 100 pessoas. Não é necessário fazer inscrição prévia. – Curitiba, 16/04/2021 – foto: divulgação Teatro Guaíra

O Balé Teatro Guaíra inicia na próxima sexta-feira (23) oficinas virtuais abertas para profissionais e estudantes de dança. A atividade é gratuita e os interessados devem acessar o link da transmissão pela plataforma Zoom. As aulas acontecem às sextas-feiras, a partir das 13 horas, para até 100 pessoas. Não é necessário fazer inscrição prévia. 

A ação é uma parceria do Governo do Estado, via Secretaria da Comunicação Social e da Cultura, Centro Cultural Teatro Guaíra e PalcoParaná. Veja a programação. O projeto “Aulas como Unidade e Cooperação” é uma ideia dos próprios bailarinos, que realizaram em 2020 aulas abertas para todo o Estado.

A coordenadora da iniciativa em 2021 é a bailarina Juliana Rodrigues. “Esse projeto tem o objetivo de trocar experiências e criar novas conexões. O bailarino proponente irá compartilhar a sua vivência pessoal durante a aula, criando estímulos para que cada um possa descobrir e experimentar a arte sobre novos olhares e caminhos. No final de cada aula acontecerá um pequeno bate-papo para trocar curiosidades, perguntas, sensações”, afirma. 

No ano passado, as atividades com maior adesão do público foram as oficinas e aulas virtuais, que tiveram a participação de cerca de 10 mil pessoas. Em abril de 2020, começaram as aulas virtuais abertas à comunidade da dança em geral, além de oficinas com coreógrafos renomados. Em julho, um programa mais amplo ofertou oficinas virtuais de dança para crianças, jovens e melhor idade, de 30 municípios de todo o Paraná. 

“Exercitando a criatividade, a composição do corpo com o espaço e de ambos em relação à câmera, a proposta busca ampliar o olhar do artista para as possibilidades audiovisuais utilizando os equipamentos que são acessíveis a cada um. Os encontros são abertos a artistas da dança e interessados em criações audiovisuais”, conta Paula Sousa, uma das bailarinas participantes.  

Sobre os bailarinos:

Clarissa Cappellari é bailarina profissional, formada pela Escola de Danças do Teatro Guaíra (Curitiba). Dançou no Balé Teatro Guaíra entre 2004 e 2007. É graduada em dança (licenciatura e bacharelado) pela Faculdade de Artes do Paraná e pós-graduada em Ensino de Artes pelo instituto Itecne. Entre 2013 e 2017, fez parte do elenco da Curitiba Cia de Dança. Em 2017, voltou a integrar o elenco do Balé Teatro Guaíra onde atua até hoje. Neste projeto, irá propor aulas de alongamento para que os alunos possam buscar uma amplitude maior do movimento e aumentar a flexibilidade.

João Luiz Bicalho nasceu em Vitória (ES). É formado em Qualificação/Técnico Profissional em Dança Contemporânea pela FAFI – Escola de Teatro, Dança e Música (ES). Integrou profissionalmente a companhia de dança Mitzi Marzzuti (ES) – 2012, na qual pôde trabalhar com uma gama de bons profissionais da dança contemporânea. Em 2015, integrou a companhia Divinadança (SP), dirigida por Andrea Pivatto, e trabalhou como intérprete/criador no Coletivo dos Sonhos (SP), dirigido por João Pirahy. Em 2016, integrou a companhia Mercearia de Ideias + Bongiovanni (SP), dirigida pelo coreógrafo Luiz Fernando Bongiovanni. Desde 2017 atua na companhia Balé Teatro Guaíra. Em 2019, dirigiu e coreografou Peixe Solúvel para o Balé Teatro Guaíra, na plataforma Novos Criadores. Vem praticando e pesquisando técnicas voltadas para a improvisação na dança contemporânea e para o desenvolvimento do potencial criador individual.

Juliana Rodrigues é bailarina do Balé Teatro Guaíra. Mineira, natural de Caxambu, é formada pelo Centro de Formação Artística – Cefar em Belo Horizonte/MG. Trabalhou nas companhias de dança Ballet de Londrina e Curitiba Cia de Dança. Especialista em Artes Híbridas e bacharel em Dança, desenvolve trabalhos de criação própria por meio de improvisos explorando novos caminhos através da edição de vídeo. Juliana criou o projeto Aulas como Unidade e Cooperação e irá compartilhar aulas de improviso trabalhando a dança em uma linguagem híbrida, em que as conexões para construir novos caminhos experimentam a força interior como guia para acessar outras linguagens.

Luana Nery fez parte do Corpo de Baile Jovem na Escola Municipal de Bailados, atual Escola de Dança de São Paulo, sob a direção de Esmeralda Penha Gazal. Iniciou sua carreira profissional no Balé da Cidade de São Paulo, na direção de Lara Pinheiro e Iracity Cardoso, onde teve a oportunidade de trabalhar com vários profissionais da área da dança do Brasil e do Exterior. Fez parte do Núcleo de Pesquisas Mercearia de ideias sob a direção de Luiz Fernando Bongiovanni. Foi convidada pela XII Mostra de Teatro do Colégio Santa Cruz como professora e preparadora corporal. Atualmente faz parte do elenco do Balé Teatro Guaíra como bailarina, interprete/criadora, no qual vem desenvolvendo papeis como solista e corpo de baile no repertório da companhia.

Paula Sousa é bailarina, graduada como Major in Dance pela SEAD na Áustria e formada em dança contemporânea pela Escola do Teatro Bolshoi no Brasil. Integra, desde agosto de 2017, o Balé do Teatro Guaíra. Integrou e colaborou com as companhias Projeto Mov_ola com a direção de Alex Soares, Plataforma Shop Sui de Fernando Martins, em São Paulo, Arsenalle della Danza da Bienal de Veneza e Balé Jovem do Palácio das Artes. Desenvolveu em 2020 o projeto autoral “Pequenas danças”, com vídeos de arte que podem ser acompanhados no Instagram @sousapaula.

Aulas como Unidade e Cooperação

De 23 de abril a 9 de julho, às sextas-feiras, das 13h às 14h30. 
Plataforma Zoom: https://us02web.zoom.us/j/87160315382
A atividade é gratuita e aberta a até 100 participantes por dia, por ordem de chegada. Não é preciso fazer inscrição prévia.

Por Agência Estadual de Notícias

Redação Portal RDX

Redação Portal RDX

Ler anterior

Falecimento de Cecília Nascimento dos Santos

Ler próxima

Menina de 13 anos, moradora de Três Barras, está desaparecida