Produtora de São Mateus do Sul conquista independência financeira através de leiteria

Há cerca de quatro anos a são-mateuense Mariana de Lima Nadolny, de 30 anos, viu na produção e comercialização de leite a saída para algo que almejava, a independência financeira.

Morando há oito anos no interior de São Mateus do Sul, a produtora conta que apesar de pouco tempo no ramo, evoluiu muito desde o início dos trabalhos. Conforme ela, o começo contou com a ajuda do marido que adquiriu os animais e as ferramentas, como ordenhadeiras. “Meu marido comprou todo equipamento de ordenhas e comprou cinco vacas de leite, eu trabalhava sozinha, confesso que não foi fácil, mas eu sempre tive esperança e muita vontade de trabalhar”, afirma.

Aos poucos a produção foi crescendo e Mariana aprendendo o manejo através de vídeos e na prática no dia a dia.  “Com meu próprio dinheiro do leite, fui comprando mais vacas, e foi melhorando. Meu marido começou a se interessar, investiu em mais vacas e agora nós trabalhamos juntos”, comemora Mariana. 

O marido que trabalhava na lavoura, agora, planta apenas o alimento dos animais. Além disso, o casal continua buscando conhecimento na área através de cursos. Hoje a leitaria conta com um funcionário. O número de animais também cresceu. Atualmente, a propriedade tem  60, entre vacas de leite, novilhas e bezerras. 

A produção mensal da leiteria varia, já que sempre há alguma vaca passando pelo processo de secagem, no entanto, Mariana aponta que no momento está sendo de 420 a 430 litros por dia com 31 vacas.

Estrutura

Uma boa produção e consequentemente a lucratividade, depende de uma estrutura organizada e que permita conforto aos animais. Para melhorar a qualidade do trabalho e do leite e pensando nas vacas, Mariana e o marido estão finalizando a instalação de um barracão compost barn.

Trata-se de um grande espaço coberto para descanso das vacas, revestido com serragem, sobras de corte de madeira e esterco compostado. 

Além desse investimento material, a propriedade tem ajuda na parte de assistência técnica, tanto da indústria que recebe o leite, quanto de um veterinário que acompanha os animais mensalmente.

Redação Portal RDX

Ler anterior

Menino de 13 anos está desaparecido na localidade de Porto Ribeiro

Ler próxima

Estudo revela que 59% dos afogamentos de crianças ocorrem em piscinas