Em dois anos e meio, IAT fornece 140 mil mudas de araucárias para a população

No Dia Nacional da Araucária, o Paraná comemora a marca de 140 mil mudas retiradas de 13 viveiros do Instituto Água e Terra (IAT), desde 2019. O IAT é um órgão vinculado à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (Sedest). – Curitiba, 24/06/2021 – Foto: Denis Ferreira Netto

No Dia Nacional da Araucária, 24 de junho, o Paraná comemora a marca de 140 mil mudas retiradas de 13 viveiros do Instituto Água e Terra (IAT) desde 2019. O IAT é um órgão vinculado à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (Sedest).

O instituto é responsável pela gestão de 19 viveiros e dois laboratórios de sementes em todo o Estado para a produção de mais de 100 espécies de mudas nativas, entre elas a araucária (Araucaria angustifólia), popularmente chamada de Pinheiro do Paraná.

O estoque atual da árvore símbolo do Estado nos viveiros é de quase 40 mil mudas. Outras 144 mil estão em produção. As mudas podem ser solicitadas por toda a sociedade e também são utilizadas dentro da política de compensação ambiental.

O secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Marcio Nunes, destacou a conscientização dos produtores rurais dentro do programa Paraná Mais Verde. Criado pelo órgão ambiental estadual, ele tem o objetivo de promover a educação ambiental e aliar desenvolvimento ambiental, econômico e social.

De acordo com o secretário, a preservação e a recuperação do meio ambiente resultam em uma agricultura com alta produtividade e sustentável.

“É um programa que faz um trabalho muito importante, desde a coleta das sementes na floresta até chegar às mãos do produtor rural, que já entendeu que tem que ajudar a recuperar o meio ambiente. Todo o setor produtivo depende da sustentabilidade para vender seus produtos”, afirma Nunes.

PRODUÇÃO – O tronco de uma araucária pode atingir altura de 10 a 50 metros e o diâmetro pode chegar a 2,5 metros. Em plantios isolados, ela inicia a produção de frutos a partir do décimo ano. Já em povoamentos, as primeiras pinhas com capacidade para reprodução surgem em cerca de 20 anos.

O diretor-presidente do IAT, Everton Souza, destacou a importância de preparar as mudas nos viveiros para então serem distribuídas. “Quanto melhor essa muda estiver preparada para ser recebida pelo solo, maiores serão as chances de ela se desenvolver e chegar à maturidade, dando frutos e servindo de alimentos para a fauna”, afirmou.

Souza destacou, ainda, que outra contribuição do plantio de árvores é mitigar os efeitos provocados pelas mudanças climáticas, como a estiagem atual.

MAIOR PRODUTOR – O pinhão, fruto oriundo da pinha, faz parte de pratos típicos da culinária do Paraná, com melhor safra normalmente entre os meses de maio e junho. Para sua comercialização, o órgão ambiental estadual promove orientações para a colheita de frutos que caem naturalmente da pinha.

Pinhão, no Centro-Sul do Estado, é o município com maior produção do fruto no Paraná. No ano passado foram colhidas mais de 3,8 toneladas e a previsão para 2021 é de 4,9 toneladas, um aumento de 30%. A cidade responde por cerca 40% da produção estadual do fruto da araucária.

AMEAÇADA – Desde 2014, a árvore consta na lista em extinção como proteção integral na modalidade EN-em perigo, o que proíbe o corte para aproveitamento econômico. O IAT protege a espécie conforme a Portaria nº 443/2014, do Ministério do Meio Ambiente, e pelo Programa Paraná Mais Verde.

“Até agora, já foram doadas mais de 3 milhões de mudas pelo programa estadual, onde se estima a restauração de 1.800 hectares, ou seja, aproximadamente 1.800 campos de futebol. As espécies são oriundas dos 19 viveiros do IAT”, afirmou o gerente de Restauração Ambiental do Instituto, Mauro Sharnick.

Por AEN PR

Redação Portal RDX

Ler anterior

Saúde identifica variante mais agressiva do Coronavírus em Palmeira

Ler próxima

Obra de pavimentação da PR-364 está próxima do Juca Ferraz