Cracóvia e mel de Prudentópolis buscam registro de Indicação Geográfica

Registro de Indicação Geográfica vai corroborar Prudentópolis como município pioneiro na produção da Cracóvia. Crédito: Rodrigo Czekalski.

A cracóvia e o mel produzidos em Prudentópolis, estão entre os produtos com potencial para buscar o registro de Indicação Geográfica (IG). Nesta quinta-feira (23), o grupo de trabalho composto pelo Sebrae/PR, Prefeitura de Prudentópolis, através das secretarias Municipais de Turismo e de Agricultura, PUC-PR, Unicentro, Associação dos Produtores de Embutidos de Prudentópolis, Associação Prudentopolitana de Apicultores e Meliponicultores (Apam) e o Sicredi, reuniu-se para alinhar o trabalho. A intenção é protocolar o projeto no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) em até 12 meses.

O gerente da regional Centro do Sebrae/PR, Joel Franzim Junior, lembra que, em 2020, o Sebrae realizou um levantamento de 110 regiões em todo o país, com potencial para conquistarem o reconhecimento oficial com IGs. Foi realizado um trabalho de triagem, diagnóstico e potencialização de novos produtos, a partir da demanda dos pequenos negócios. Entre os produtos com potencial de se tornarem IGs estão a cracóvia e o mel de Prudentópolis.

“Foi realizado o diagnóstico de viabilidade junto com nossos parceiros. O objetivo do grupo é debater o assunto, auxiliar, organizar e oferecer elementos para os produtores que ainda buscam os registros, que vão valorizar a cidade e a região”, explica.

Para a secretária Municipal de Turismo de Prudentópolis, Cristiane Boiko Rossetim, com a obtenção da IG, a cracóvia e o mel podem ganhar ainda mais mercado. A cracóvia, produto típico da cidade, é um embutido de carne e porco nobre defumada, que teve a receita criada por um morador local, Dionizio Opuchkevitch, na década de 60.

Já a qualidade do mel fez Prudentópolis ser reconhecida, no passado, como a “Capital do Mel”. “Caso tudo ocorra conforme planejamos, seremos a primeira cidade do Estado a ter dois produtos com IG”, planeja. 

Conforme o presidente da Associação dos Produtores de Embutidos, Marcos Machulek, o Município conta com 11 produtores do embutido. “O registro de Indicação Geográfica vai corroborar Prudentópolis como município pioneiro na produção da cracóvia, ou seja, como a cidade “mãe””, diz.

Além da Cracóvia, o Município busca a IG para o mel, tanto o produzido pela abelha com ferrão, quanto o da abelha sem ferrão (Mandaçaia). A diferença entre eles, conforme explica o presidente da Apam, Tarcízio Kraiczek, está na propriedade de mel de uma abelha para outra. Hoje, a Associação conta com mais de 100 associados, sendo que a produção estimada no Município é de 400 toneladas/ ano de mel.

“Em função da necessidade de diversificar a produção nas pequenas propriedades, a apicultura tem ganhado força novamente em Prudentópolis”, conta Kraizcek. Segundo ele, para que a produção seja de qualidade, a Associação tem atuado na organização do setor, com o apoio na aquisição coletiva de insumos; assistência técnica em parceria com a Emater; cursos em parceria com o Senar, além da criação de novas técnicas para o aumento de produtividade.

“A busca pela IG vem ao encontro dos objetivos da Associação, que é a valorização do mel. Queremos manter um padrão de qualidade na produção e conquistar novos mercados. Acredito que uma junção de fatores irá ajudar no processo, entre eles os investimentos em turismo, já que despertamos a atenção pelos atrativos naturais existentes”, planeja.

Hoje, o Paraná possui nove produtos com registro de IG que são o café do Norte Pioneiro, a goiaba de Carlópolis, o mel do oeste do Paraná, o queijo de Witmarsum, o melado de Capanema, a uva de Marialva, a erva-mate São Matheus – do sul do Paraná, o mel de Ortigueira e a bala de banana de Antonina.  Outros cinco já foram protocolados no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI): a cachaça e aguardente de Morretes, o barreado e a farinha de mandioca do Litoral, o morango do Norte Pioneiro do Paraná e os vinhos de Bituruna. No Brasil são 87 produtos com registro.

Relevância

A Indicação Geográfica (IG) é importante para os pequenos negócios, pois é considerada um diferencial competitivo. Além disso, esse signo permite a valorização dos produtos tradicionais brasileiros e a herança histórico-cultural, protegendo as regiões produtoras. Nesse contexto, o legado agrega à área de produção definida, tipicidade, autenticidade com que os produtos são desenvolvidos e a disciplina quanto ao método de produção, garantindo um padrão de qualidade.

A maior parte das Indicações Geográficas é formada pelos pequenos negócios, segundo levantamento do Sebrae. O reconhecimento de uma IG, no Brasil, é obtido por meio de registro no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).  Hoje o país possui Indicações Geográficas em vários setores, como vinhos, artesanatos, cafés, queijos, frutas, entre outros.

Com informações Sebrae

Redação Portal RDX

Ler anterior

Pai que embriagava filhas com pinga para estuprá-las é preso no Paraná

Ler próxima

PRF recupera caminhão, resgata motorista e detém suspeito de assalto em Palmeira