MPSC denuncia ex-prefeito de Três Barras e nove empresários por supostas fraudes em licitações

Promotoria aponta superfaturamento em licitações da ordem de mais de R$ 6,4 milhões.

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) ofereceu denúncia contra o ex-prefeito de Três Barras, Elói Quege (PP), e nove empresários por supostas fraudes em licitações que teriam sido cometidas durante o mandato de Quege entre 2013 e 2016. Segundo o MPSC as supostas fraudes causaram “enriquecimento ilícito, prejuízo ao erário e violação dos princípios administrativos” da ordem de mais de R$ 6,4 milhões.

O MPSC afirma que Quege, enquanto prefeito, transformou certames deflagrados na modalidade pregão para a modalidade convite, “com o nítido propósito de beneficiar as pessoas jurídicas parceiras da sua administração, bem como deixou de proporcionar à devida publicidade aos atos administrativos referentes a tais licitações, violando, sobremaneira, os princípios da administração”.

A denúncia traz um infográfico desenhando o suposto esquema:

O MPSC aponta quatro infrações:

a) descumpria-se a determinação legal e não se publicava o edital de abertura de licitação no diário oficial, apesar de evidentemente exigido tanto na Lei federal que rege o pregão quanto na norma municipal;

b) a fim de dar ciência às empresas parceiras, eram realizados convites para que tomassem ciência do procedimento licitatório, apesar de essa prática ser vedada pela lei, criada justamente para que a impessoalidade imperasse nos procedimentos do pregão. Apesar de constar a modalidade de licitação como “pregão”, há um licitante “convidado”, evidenciando que, apesar de formalmente chamada de pregão, essa modalidade reveste-se em um convite disfarçado, em total contrariedade aos dispositivos legais;

c) com a ausência de concorrentes não convidados, isto é, desvinculados da Administração tresbarrense, não haviam lances e, quando existiam, eram fictos, variando entre si um centavo;

d) o objeto da licitação era repartido entre os interessados quase que igualmente, de modo a manter todos incluídos no sistema e esse funcionando de maneira permanente.

“Embora as propostas apresentadas pelas pessoas jurídicas participantes do certamente sejam idênticas, durante a sessão do pregão somente uma delas oferece lance em cada produto, enquanto as outras declinam. Há, assim, a divisão do objeto da licitação e, por consequência, do dinheiro público auferido com o certame, segundo se observa nos relatórios de propostas, lances e vencedores”, anotou o MPSC.

A Promotoria não tem dúvidas da participação de Quege no suposto esquema. “Claramente, a proporção matemática das propostas e a ausência de lances demonstra que as partes teriam previamente estipulado um acordo com Elói José Quege, o que garantiu a cada um dos fornecedores a sua parte em cada um dos pregões, frustrando as licitações, tendo em vista ser um jogo de cartas marcadas.” O MP aponta que três supermercados denunciados receberam os valores idênticos frutos das licitações supostamente fraudadas.

Em outros casos, três empresas de materiais de construção aparentemente dividiram entre eles o que havia sido licitado.

Em todos os casos, o MPSC aponta ainda superfaturamento de preços. Como a denúncia remete há sete anos, o MPSC comparou os preços dos mesmos bens, fornecidos pelos mesmos vendedores a outros municípios da região no mesmo período. Um pacote de sabão em pó, por exemplo, para uma licitação da prefeitura de Canoinhas custou R$ 2,51 enquanto que a mesma mercadoria vendida pelo mesmo supermercado custou R$ 5,40 para a prefeitura de Três Barras. Considerando que foram comprados 28 mil quilos, o superfaturamento foi de R$ 80.920,00, que atualizados desde 26 abril de 2013 (data da autuação da licitação) até 30 de abril de 2021 alcançam R$ 126.485,42.

Outro supermercado vendeu uma lata de cera por R$ 1,78 para Canoinhas. O mesmo produto custou R$ 4,57 para Três Barras. Levando em conta que foram comprados 3 mil latas de cera a R$ 4,57 cada, o superfaturamento foi de R$ 8.370,00, que atualizados desde 26 abril de 2013 (data da autuação da licitação) até 30 de abril de 2021 alcançam R$ 13.083,08.

A mesma vassoura de nylon com cabo vendida por R$ 3,30 à prefeitura de Canoinhas foi vendida por R$ 9,50 para Três Barras. Com 1120 unidades de vassoura compradas pela prefeitura a R$ 9,50, o superfaturamento foi de R$ 6.944,00, que atualizados desde 26 abril de 2013 (data da autuação da licitação) até 30 de abril de 2021 alcançam R$ 10.854,11. Apenas um dos supermercados denunciados teria superfaturado R$ 346.749,84, em valores atualizados.

Em relação às lojas de materiais de construção, em um exemplo citado na denúncia, o superfaturamento foi de R$ 115,9 mil que, se atualizados, alcançam R$ 180.741,23. Apenas uma das denunciadas teria superfaturado R$ 1.426.748,50, em valores atualizados.

“Ora por qual razão somente em Três Barras, onde o jogo de cartas marcadas acontecia, as mesmas empresas comercializavam os mesmos bens, no mesmo período, com sobrepreço? Certamente pelo fato de que aqui o lucro certo e exacerbado era garantido”, conclui o MPSC. A Promotoria pede o ressarcimento, à incidência de correção monetária e dos juros legais, em favor do Município de Três Barras.

Cabe agora a 2ª Vara Cível da comarca de Canoinhas acatar ou não a denúncia para, na sequência, ouvir os argumentos dos acusados.

Redação Portal RDX

Redação Portal RDX

Ler anterior

Ministério Público notifica Irati sobre distribuição de “Kit Covid”

Ler próxima

Com certificação da aftosa, Paraná vai acessar mercados que pagam mais pela carne