Cohapar: 100 famílias de Palmeira começam a se mudar para casas novas

Cem famílias de Palmeira que moravam de aluguel ou em condições irregulares começaram a se mudar para o Residencial Sol Nascente nos últimos dias. Os contemplados deixaram para trás as condições precárias de moradia, em um local conhecido como Vila Monjolo, e receberam as chaves de maneira individual e escalonada, com o objetivo de reduzir os riscos de contaminação pela covid-19. (Foto: Cohapar) – Curitiba, 10/05/2021 – Foto: Cohapar

Cem famílias de Palmeira, na região dos Campos Gerais, que moravam de aluguel ou em condições irregulares, começaram a se mudar para o Residencial Sol Nascente nos últimos dias. Os contemplados deixaram para trás as condições precárias de moradia, em um local conhecido como Vila Monjolo, e receberam as chaves de maneira individual e escalonada, com o objetivo de reduzir os riscos de contaminação da Covid-19.

Graças aos aportes dos programas Casa Verde e Amarela, do governo federal, e do Casa Fácil Paraná, do Governo do Estado, as famílias selecionadas, que possuem renda mensal de até R$ 1.800, pagarão apenas 10% dos custos dos imóveis ao longo dos próximos 10 anos. 

“Os beneficiários irão pagar prestações que variam de 5% a 10% do salário mínimo, o que dá em torno de R$ 50 a R$ 100 por mês”, diz o chefe do escritório regional da Cohapar, Ary Ribeiro.

Segundo o representante da companhia, a participação estadual se deu por meio de contrapartidas da Cohapar, Copel e Sanepar no projeto. “Fornecemos a assessoria técnica especializada da companhia, além de toda a infraestrutura de energia elétrica e das redes de água e esgoto das unidades”, explica Ribeiro.

As novas casas são construídas em alvenaria, com 45,3 metros quadrados cada. Os imóveis possuem dois dormitórios, sala, cozinha, banheiro e área de serviço externa, com garantia de até cinco anos para qualquer tipo de problema estrutural.

Segundo o prefeito de Palmeira, Sérgio Belich, o empreendimento trouxe dois grandes benefícios para a cidade. “As casas da Vila Monjolo estavam em uma área de preservação, na beira do rio, então a retirada das moradias significa contribuir positivamente para a conservação do meio ambiente”, afirma. “Poder transferir essas famílias para um local com estrutura adequada é uma conquista para nós também”.

PROTOCOLOS SANITÁRIOS – Além de receberem as chaves em dias alternados, as famílias também foram atendidas com horários agendados, de forma a evitar qualquer tipo de aglomeração.

Agência Estadual de Notícias

Redação Portal RDX

Redação Portal RDX

Ler anterior

Homem morre carbonizado após incêndio em residência na cidade de Rebouças

Ler próxima

Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro promove bazar de roupas e utensílios