Órgãos de jovem que faleceu vítima de AVC foram destinados a hospitais de Curitiba e Maringá

Divulgação APMI

O dia 27 de abril de 2022 entra para a história do hospital APMI, de União da Vitória. A data marca a realização da primeira captação de órgãos na casa de saúde. O procedimento só pode ser feito por conta dos esforços feitos pela Comissão Intra-hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos (CIHDOTT), em parceria com a Central de Transplante do Estado do Paraná.

O doador de 15 anos teve morte cerebral. A família, segundo a direção da APMI, autorizou imediatamente a doação dos órgãos.

“Quando se tem um paciente com suspeita de morte cerebral, se abre um protocolo que é bem rigoroso. Esse paciente é examinado por dois médicos diferente e realizar um exame complementar que determina que não há mais fluxo cerebral. Após confirmada a morte cerebral, a família é comunicada e se é da vontade dela, é realizada a doção de órgãos. Nos cabe então agradecer a família que mesmo num momento de dor intensa, se sensibilizou e permitiu que outras vidas fossem salvas”, disse o médio Iuri Pereira dos Santos, Neurologista e Diretor Clínico da APMI. Foram captados o fígado, os rins e o baço.

Conforme a enfermeira responsável pela APMI, Aliny Teófilo Klabunde, após o “aceite” da família, uma grande força-tarefa acontece para que o procedimento de captação de órgãos acontece dentro dos prazos e protocolos de segurança.

Também, existe a parte burocrática e a realização de novos exames, para a confirmação de que todo o procedimento ocorra com responsabilidade. “Fazemos uma abordagem [além da entrevista sobre os hábitos e costumes do doador] com a família sobre a captação dos órgãos com uma equipe multidisciplinar. Depois, fazemos uma seria de exames que são enviados para nossa central, que é Curitiba. Os documentos são preenchidos e enviados também à capital”, comenta, resumindo um pouco da rotina pós confirmação da morte cerebral.

Os rins foram levados para Curitiba; baço e fígado para Maringá/PR.

“Para nós é um sentimento de grande orgulho poder realizar a primeira captação de órgãos. Sabemos que isso ocorre em um momento de muito dor de uma família, mas também é quando outra pessoa vai ganhar a possibilidade de ganhar vida nova. Nosso time de profissionais da APMI está de parabéns e mais ainda, essa família sensível que no meio do seu luto, foi luz. Obrigada!”, disse Antônia Bilinski, Diretora Administrativa da APMI.

COMO SER UM DOADOR
A morte de um ente querido é sempre uma situação difícil para toda a família, mas é justamente nesse momento de perda que o sofrimento pode ser transformado em um ato de esperança. No Brasil, a remoção de órgãos só pode ser realizada após a autorização familiar. Não há nenhuma lei que garanta que a vontade do doador seja atendida, isto é, se uma pessoa manifesta seu desejo de doar e, após sua morte, a família nega, seus órgãos não serão doados. Segundo o Ministério da Saúde, quase 54 mil pessoas aguardam na fila de espera de um órgão ou tecido.

Redação Portal RDX

Ler anterior

Independente de São Mateus do Sul vence Imbituva no primeiro jogo da decisão do Sub 17

leia a próxima

Moradores reclamam da qualidade da água fornecida pela Sanepar em Antônio Olinto