Vídeo: Morador agride e rasga orelha de gari após saco de lixo se romper no Paraná

Um morador deu uma vassourada em um gari e rasgou a orelha do trabalhador após se irritar por um saco de lixo ter rompido. O caso aconteceu no bairro Guaraituba, em Colombo, nesta quarta-feira (11), cinco dias antes do Dia do Gari, comemorado em 16 de maio.

O coletor de lixo ficou com um sangramento na orelha após o ataque do homem. Um saco com excesso de lixo arrebentou em frente uma residência causando a revolta do morador.

O gari Wesley Bassani de Oliveira conversou com a Banda B e relatou que o agressor já chegou gritando com os trabalhadores após o saco se romper. “Rasguei uma sacolinha com grama e tinha um pouquinho de fezes secas.(…) Ele veio falando alto, gritando comigo. Falou que não estávamos fazendo o serviço certo, que era pra sair da empresa. Eu falei que não era o filho dele para ele estar gritando daquele jeito. Quando eu virei as costas, ele pegou um pedaço de vassoura e bateu na cabeça”, relatou à Banda B.

Bassani disse estar muito decepcionado com forma como foi tratado pelo morador. Ele disse que quer respeito e que situações como esta não voltem a acontecer.

“É triste quando acontece um coisa dessa. A sacola estava meio pesada e rasgou. Ela caiu no chão. Peguei a sacola de novo, levei na esquina foi quando ele fez isso. Só quero mais respeito”, pediu.

De acordo com Rafael Geronimo, diretor do Sindicato dos Empregados em Empresas de Asseio e Conservação de Curitiba (Siemaco), afirmou que esse não é um caso isolado e que falta respeito ao profissional.

“O Sindicato repudia qualquer tipo de violência, ainda mais exercendo a função. O coletor de lixo é um trabalhador, muitas vezes, discriminado pela população. Muitas vezes, passando despercebido que só tem valor quando acaba cruzando os braços, quando não coleta o lixo”, concluiu.

Redação Portal RDX

Ler anterior

Primeira onda de frio chega ao Sul do Brasil; veja em qual região pode nevar

leia a próxima

Sequelas da covid-19 podem durar mais de um ano, revela estudo da Fiocruz